"Há um momento em que é preciso abandonar as roupas usadas que já têm a forma do nosso corpo e esquecer os caminhos antigos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia - e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." (PESSOA, Fernando)

"Procuro despir-me do que aprendi. Procuro esquecer do modo de lembrar que me ensinaram. E raspar a tinta com que me pintaram os sentidos. Desencaixotar as minhas emoções verdadeiras. Desembrulhar-me e ser eu." (PESSOA, Fernando)

16 de dez de 2011

Cumplicidade no olhar: o início

Já faz algum tempo que te tomei em meus braços pela primeira vez e que te entregaste a mim. Já faz algum tempo em que selamos nosso acordo de amor. Tempo este que não apaga, nem desgasta nossa relação, ao contrário, amadurece ainda mais com o tic-tac do tempo e do espaço. 
Iniciou assim com um olhar perdido ao encontro d’outro olhar. Troca esta envolta em uma química inexplicável. O que estava solto, se firma num desejo incontido de querer mais e mais. Imprime o início de uma nova relação. Sensação de conforto, acolhimento e muito amor. Uma relação permeada de confiança, numa troca nutrida pelo vínculo do carinho.
Mãe de primeira viagem apropria-se da essência de ser MÃE neste momento mágico de troca de olhares. Foi assim comigo. Mas também na reprise de ser mãe, tomar o neném aos braços, de tal modo é único, e novamente a magia se faz presente.
Mãe em todas as formas de ser MÃE. Mãe de sangue, mãe de adoção, mãe por opção, mãe-avó, mãe de susto, mãe planejada... E tantas outras mães... Em um acordo entre mãe e filho(a), aquela que assume seu “papel de ser mãe”, apropria-se de tal forma dessa essência, que títulos ou nomenclaturas jamais poderão diminuí-las, são MÃES e ponto final. Num instante inigualável a qualquer outro momento, instante em que dois seres se abstêm do mundo ao redor e vivem como se a completude estivesse sido alcançada nesse momento.
Quando toma a criança em seus braços para alimentá-la quer seja no peito ou por outro meio, está alimentando muito mais do que o corpo físico, nutre-a por inteiro. Talvez não percebam, mas este momento é de suma importância para a criança. Pois o toque, o calor do contato no corpo alimenta também a confiança. Confiança no OUTRO e confiança em SI MESMA.
A criança começa a perceber-se como um ser. A mãe começa a perceber-se como outro ser. Aos poucos percebem-se que não são um só e acontece a primeira frustração geracional. Processo necessário para a formação de uma relação de troca. Doído sim, mas, quem disse que viver não dói? O importante, é que nesta dor, haverá a confiança estabelecida pela proximidade vincada no relacionamento pessoal. E em seu papel de mãe, haverá de vislumbrar um futuro de possibilidades para este minúsculo ser, por ora frágil em seus braços.
Há muito a que refletir sobre a importância desse primeiro contato. Há muito sobre o que falar e amadurecer nesta viagem sem fim de gerar e gestar. De tal forma como o primeiro olhar, o primeiro contato entre mãe e filho(a) é importante na estrutura desta relação, almejo selar aqui com os leitores um vínculo firmado em confiança e compromisso, nutrido com muito carinho. Que nossos olhares se cruzem numa demanda dupla de crescimento, ora no papel de mãe ora no de filho (a), marcando o início de uma nova relação.
 VIVA BLUSH 
Imagem google
Texto de inauguração da Revista Virtual

Se gostou... divulgue! :)

1 de dez de 2011

TCC

Amigos do blog...
Passo hoje por aqui para respirar um pouquinho...
Esta noiite faço a defesa do meu TCC.
A ansiedade não é apenas pela apresentação, mas sim pelo que ela representa.
São cinco anos de dedicacão, mudanças internas e muitas dores, mas também de muitas conquistas e alegrias.
Portanto, é a soma disto tudo que representa o emaranhado de emoções ao fazer a últma apresentação como acadêmica...
Aos amigos peço: Torçam por mim!

Beijos da MariAne

---------
Atualizando:

SENSAÇÃO MARAVILHOSA DE REALIZAÇÃO!
TANTA ANSIEDADE EM TORNO DE ALGO QUE APARENTEMENTE SERIA SIMPLES.
OCORRE QUE A APRESENTAÇÃO DO TCC, DIZ MUITO MAIS DO QUE MERAMENTE MAIS UM TRABALHO.
O CONTEUDO, ESTAVA ESTUDADO,
A PRATICA FOI EFETUADA...
MAS APRESENTÁ-LO,
SIGNIFICA A MESCLA DE TODOS OS SENTIMENTOS REMEXIDOS NESTES CINCO ANOS.
SENTIMENTOS DE MEDO E FRUSTRAÇÕES,
DE CONQUISTAS E ALEGRIAS
SENTIMENTO DE ÚLTIMO TRABALHO APRESENTADO COMO ACADÊMICA...
A ESPECTATIVA DO PORVIR ENTRELAÇADA A UMA GAMA DE EMOÇÕES, E QUERO DEGUSTÁ-LAS UMA A UMA, EM SEU DEVIDO TEMPO!
AGRADEÇO A DEUS POR TER ME ACOMPANHADO EM TODO MOMENTO!