"Há um momento em que é preciso abandonar as roupas usadas que já têm a forma do nosso corpo e esquecer os caminhos antigos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia - e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." (PESSOA, Fernando)

"Procuro despir-me do que aprendi. Procuro esquecer do modo de lembrar que me ensinaram. E raspar a tinta com que me pintaram os sentidos. Desencaixotar as minhas emoções verdadeiras. Desembrulhar-me e ser eu." (PESSOA, Fernando)

11 de jun de 2014

Pontos isolados


Em pontos isolados as águas tomam conta. Em pontos isolados, faz estrago apenas na parte, não é reconhecido em seu todo, e portanto, facilmente ignorado. Em vários pontos isolados com o passar do tempo, se unem, e começam a incomodar. Sobem as águas fazendo gelar a canela, trincando os ossos, amordaçando o sentimento. Pontos isolados de dor potencializam o sentimento.
Respingam aqui, outrora acolá pontos que eclodem em águas tomadas. Reconhecida, nomeia-se agora enchente, catástrofe. A falta de manutenção preventiva das vias de escoamento, fecham os bueiros. A falta de cuidado. A boca fechada, garganta dolorida de tanto engolir sem poder vomitar. Refluxo de um fluxo que deveria ser contínuo, bloqueado em sua naturalidade.
Meio intervém no sujeito, sujeito intervém no meio, sem saber ao certo qual a ordem do processo. Sujeito mata o meio que sem vida lhe mata também.
Gotejo ou pancadas de chuva... Que diferença faz, quando as águas já tomaram conta daquilo que acreditava ser precioso? Desapego ou descrença. Para quem está de fora, é fácil nominar, teorizar. Para quem corre, por dentro, navega em tortuosas ondas de mal estar.
Em pontos isolados, tão ignorados, pelo meio ou pelo próprio sujeito? Em vários pontos isolados as dores se potencializam. Foge do controle, e o que era irrelevante, faz estragos rasgando por onde passa.
Pontos isolados do que emergem por dentro, unidos a outros pontos ignorados formam-se mais do que um rio caldoso... Uma tempestade em copo d’água que afoga.
- MariAne – junho/2014 -



5 de jun de 2014

Zumbi



"Já vivi como zumbi:
é uma ótima forma 
de morrer por dentro".
- MariAne -

Meus fragmentos

Há dias qua amanheço sorrindo

sem motivo

outros deságua...
- MariAne -



‎"...e com o pés desnudo sinto calcar novos horizontes...
Já lidei com muitos dos meus medos... ainda falta tantos outros...
Quando embarcamos na viajem interior temos o poder de escolher e traçar os caminhamos que vamos seguir... o que assusta é desbravar ..."

- MariAne -

Apresentação única



Para quem ler:
Tempo esse atemporal em si mesmo... passa ou nós passamos por ele?
Tempo detenho, resenho minha vida, num passo de apresentação única.
Tempo temo ou tenho? Como saber se não vivê-lo.
O tic tac do relógio lhe é escravo, mas jamais seu dono.
Rasga a escuridao com o faixo de luz, absorvo!
Contelação de segundos que componho, muda dentro de mim.
Triste?
Não, apenas reflexão,
 pois em sobrevida estarei em minhas letras, 
nas palavras deitadas nestas linhas tortas, 
que o vento teima e soprar até você.
- MariAne 03/2012 -

Seco



"[...] na calada 
da noite 
encontro 
teu grito 
seco."
- Mariane 03/2013 -

Sombra


Acaso há penalidade imposta
 para quem estrangula 
a própria sombra? 
Crime premeditado!
- Mariane -

Impulsiona



A paixão que impulsiona
por vezes nos cega do real,
e quando real se torna
aceitando-a como tal
é amor que forma
não há nada igual.

- Mariane - 

Resigno-me

Do meu refúgio outrora conhecido como seguro, ousei sair.
Conheci pessoas maravilhosas.
E conhecendo um pouco mais a mim, tirei culpas e julgamentos que não eram meus, mas que eu teimava em carregar, pois foi assim que aprendi.
Esta liberdade me possibilitou acreditar, e aprendi a olhar as cores.
Estas vieram a ser minha base, meu alicerce na escrita.
Permiti-me aceitar as diversas nuances, ora opacas noutro momento vibrantes.
E assim vim me conhecendo, me redescobrindo.
Mas ainda não estou forte suficiente, pois há um pedaço de mim que nem mesmo a terapia “teve o seu tempo” de me fortalecer. Vulnerável sou, e mesmo aparentando forte, quando esta ferida é tocada, meu chão se esvai, que me lembra tal areia movediça, sufocante.... e em meu desespero de não sucumbir a este poço sem fim, agarro em quem está mais próximo de mim. Mas, assim como a técnica nos ensina, se for socorrer alguém que está se afogando, deves cuidar para não afundar junto... acho que no meu desespero acabo afogando e machucando justamente quem eu mais confio.
Não sei se há cor nomeada para este sentimento.
Tenho vontade de me machucar para compensar a dor que causo.
E fico tão perdida que o mínimo movimento que faço, respinga lágrima escarlate.
Sou estabanada, tentando ser gente.
Se te machuquei, o que faço até mesmo sem saber, resigno-me.
Eis o que me cala no momento.
(Apenas uma Mariane e nada mais - 28.11.2013)

questão de tempo


Passou pelo teu pensamento.... 
o sonho já existe,
agora é só uma questão de tempo
e de escolha
para traze-lo a realidade...
Mariane - nov/2013

pingando

Para não sofrer tanto assim
vou apagar meus sonhos
e esconder qualquer esperança.

Se o amor resistir... 
um dia nos cruzaremos por aí.
um dia, quando nem você nem eu 
não precisarmos mais nos esconder em máscaras
Um dia em que não fique tão perigoso para você 
olhar para mim como parceira e não como tua concorrente.
Um dia...
ou não.

Guardarei as boas lembranças
como se fossem um sonho
Levarei para meu mundo da fantasia
para não acreditar que alguns momentos 

você soube ser o meu amor real.
Guardarei sempre comigo
em cada lágrima
que queima ao rolar a face.

Mas, agora
sinta-se livre.
Não precisa mais te policiar
Não vou mais olhar teus comportamentos suspeitos
Você é livre para viver, jogar, falar e agir como achar melhor...

Não sou nada, não tenho e nunca tive o direito de
querer você para mim do jeito que sonhei.

.... apesar da dor que sinto agora.... 

Te agradeço por deixar eu
viver um pouquinho o que eu "sonhava".

A família constituída...
Obrigada pela paciência

que foi possível...
dezembro - 2014

invisivel


Eu amo... e como amo
Você que viu sobre 
a minha invisibilidade...
É para ti que existo...
que respiro
Obrigada por existir em minha vida!
E me fazer visível!!
- Mariane -

cartas


"Acho que vou começar a escrever cartas... 
e soprá-las ao vento... 
talvez elas te encontrem na curva da esquina..."
Mariane 

venci


Ser feliz não é ter uma vida perfeita, ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios e perdas. Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar autor da própria história, ser feliz é uma conquista e não obra do acaso, lute diante das coisas mais difíceis de sua vida com amor e sabedoria, para que um dia possa olhar para trás e dizer: foi difícil, mas eu venci! 
Mariane agosto/2013

latente

A saudade bate forte... chamando a atenção
A vontade latente, faz vibrar o coração...

Tua face apagou-se
no instante seguinte
carregas no corpo
fardo louco
de um mundo em sufoco
deixa de ti um pouco
para mim...

Mariane
(encontrado nos cadernos de folhas amareladas pelo tempo)

sussurra


“Deus sussurra em nossos ouvidos 
por meio de nosso prazer, 
fala-nos mediante nossa consciência, 
mas clama em alta voz 

por intermédio de nossa dor; 
este é seu megafone
para despertar o homem surdo.”

―C. S. Lewi

palavras finais

FOI POR AMOR....
FOI POR TANTO DESEJAR QUE  PERDI
FOI POR SAUDADES QUE ENLOUQUECI
FOI POR AMAR DEMAIS QUE ENLOUQUECI
POR SER INTENSA DEMAIS EM MINHAS FASES 
MAGOEI.... 
AGORA É TARDE.... FOI
NÃO SEI AMAR APENAS PARTE
PRECISO INTEIRO
PINTEI UMA TELA E O MEU IDEALIZADO SE ENCAIXOU PERFEITAMENTE NELA
COMO UM SONHO MOSTRAR-SE REAL
....
TALVEZ  CIÚMES, NÃO SEI
ACREDITEI QUE TERIAS PACIÊNCIA
PARA EU SUPERAR MINHA CRISE
PASSEI PELA LUTA MAIS ÁRDUA DA MINHA VIDA
CONFRONTAR COM  TODO MEU  PASSADO DOLORIDO,
SEM CULPAR, APENAS RECONHECER O QUANTO ME MACHUCOU....

PORQUE PRECISO CURAR MINHAS FERIDAS
O QUE ERROU RECONHECEU O ERRO, 

MAS NÃO CONSEGUE SER DIFERENTE.
TAL QUAL FERIDA, ENQUANTO ESTIVER INFLAMADA INTERNAMENTE, 
VAI FICAR LÁ PULSANDO...

ESTA TEM SIDO UMA LUTA POR DENTRO E POR FORA, 

UM CONFRONTO DA METADE DA MINHA VIDA, 
TOMANDO O CUIDADO PARA NÃO MACHUCAR, 
MAS PRECISANDO DIZER O QUE SINTO.
E SÓ FOI POSSÍVEL,

PORQUE AGORA ACREDITO EM MINHA AUTONOMIA.
JÁ NÃO HÁ MAIS OS PEQUENOS A ME DEPENDER

FOI QUANDO CONSEGUI ME VER SEM CULPA DE DEIXAR A FAMÍLIA, 

E QUE É MAIS SAUDÁVEL PARA MIM, VIVER SOZINHA, 
DO QUE ME SUBMETER A CONSTANTE DOMINÂNCIA... 
QUE PUDE ACREDITAR QUE POSSO TER UMA VIDA APÓS ESTE CONTRATO.
[...]
CONVERSAMOS. PEDIU MAIS UM PRAZO. ACREDITO QUE NÃO FAZ POR MAL, MAS SUA PERSONALIDADE  É CENTRADA EM SI. 

PODE ATE MUDAR POR UNS TEMPOS, MAS LOGO VAI ESTOURAR NOVAMENTE.
COMBINAMOS UM TEMPO - ANIVERSARIO DE CASAMENTO.


VERBALIZEI QUE NÃO ACREDITO QUE POSSA MUDAR VERDADEIRAMENTE. E QUE  NÃO PODE DAR O AMOR QUE EU PRECISO, MAS AINDA ASSIM SEREI PACIENTE... PELAS CRIANÇAS...

ESTOU ARRUMANDO A MINHA VIDA, POR ISTO TANTO CONFLITO

MESMO SABENDO QUE EU AINDA PODEREI SURTAR... APENAS SEI QUE DO JEITO QUE EU VIVIA EU NÃO QUERO VIVER MAIS. O GRANDE PROBLEMA, É QUE ESTA DOR NÃO É VISÍVEL. ASSIM SENDO, ASSUMO TODA A RESPONSABILIDADE DE NÃO DAR VALOR PARA A VIDA MARAVILHOSA QUE TENHO! (SOB OLHAR DE FORA)

NÃO SOU FRESCA, NEM DONDOCA. SEI TRABALHAR, POSSO ME VIRAR, MAS PARA FAZER ISTO, NÃO POSSO ESPERAR MAIS MUITO TEMPO, ESTOU ENVELHECENDO E FICANDO FRACA. 


DESEJO UM CONTATO QUE POSSA FICAR MAIS COISAS BOAS E NÃO TER A DOR COMO FIGURA CONSTANTE.

SONHO COM UM JEITO DE ME OLHAR, DE FALAR COMIGO... SONHO E DESEJO CUMPLICIDADE
ALMEJO BEIJOS DE UMA LOUCA BOCA APAIXONADA. DE ENTREGA VERDADEIRA. DE SOMA E NÃO COMPETIÇÃO.


NÃO TENHO MAIS FORÇAS PARA SUPORTAR A FALTA DE JEITO DE LIDAR COM SUA FORMA DE DEFESA.... COMO ME DISSE: EU TINHA QUE ME DEFENDER E SÓ VI ESTA POSSIBILIDADE -  ATACAR-ME COM PALAVRAS E SENTIMENTOS. DEPOIS RECONHECE E PEDE PERDÃO... MAS AGORA EU NÃO CONSIGO MAIS TECER ESPERANÇA ALGUMA.

NÃO PROCURO NINGUÉM, POIS O QUE DESENHEI NÃO EXISTE FORA DA MINHA IMAGINAÇÃO. DESTA FORMA, HEI DE VIVER SOZINHA PARA PODER SER QUEM SOU: MOLECA, MULHER, ALEGRE... E SURTAR.... MULHER DE FASES. COMO LI NUM POEMA UM DIA. VIVENDO  INTERPLANETARIAMENTE.


Cartas de Antonela Vancelotti (27/01/1914)

Ao vento

Divagações
Apesar de  ser considerada adulta, ainda tenho muito a aprender nesta vida.
Aprendi pelos olhos de uma criança que brincar não é tarefa fácil, é um treino para fugir dos adestramentos sociais que generalizam o “todo” em favor de uns poucos. E assim, o rótulo de teimosia fica a mercê de que tem poder de decisão.
Aprendi que quando uma pessoa lhe cumprimenta e educadamente lhe pergunta “Como está? Tudo bem?”, na verdade não está interessado em teus sentimentos, é mera convenção social sem significado próprio, e que, portanto, educadamente, exige uma resposta positiva, mesmo não sendo verdadeira. Aqui a “Boa Educação” tem mais valor do que a sinceridade.

Aprendi que o dor interna não é bem vista e socialmente te exigem de ignorá-la por isto reflito: Quando o Criador deu vida à mulher cometeu um grande erro. Esqueceu-se de colocar os botões de controle de sentimento. Seria bem mais fácil viver, apertaria um botão ESQUECE, outro botão AME. Assim como não há botões... Aprendi na pele: OBEDEÇA, IGNORE TEUS SENTIMENTOS, ENGOLE O CHORO. Se para não magoar as pessoas, preciso AMAR, ESQUECER, IGNORAR, volto a ser um boneco manipulável como em minha infância e até pouco tempo. Mas parece que dói menos. A minha dor pode ser esquecida, o que não posso é causar dor aos outros. Afinal já conheço este papel: esquecer-me. Preciso acrescentar mais uma habilidade... Infelizmente aprendi ENXERGAR, preciso voltar a ser CEGA para o que vejo e o que sinto. Isto tornaria a vida mais leve... Andando feito uma boneca de cera (intacta por fora, expressando uma felicidade plástica porque o sentimento real não pode ser manifesto) e sendo boneca de cera, a vida por dentro precisa ficar contida. 

Não é o que acredito... mas às vezes fica difícil lutar pelo que acredito, e em pequenos momentos de fragilidade... eu cedo... até me reerguer novamente.

(em 05.06.2014)