"Há um momento em que é preciso abandonar as roupas usadas que já têm a forma do nosso corpo e esquecer os caminhos antigos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia - e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." (PESSOA, Fernando)

"Procuro despir-me do que aprendi. Procuro esquecer do modo de lembrar que me ensinaram. E raspar a tinta com que me pintaram os sentidos. Desencaixotar as minhas emoções verdadeiras. Desembrulhar-me e ser eu." (PESSOA, Fernando)

5 de jun de 2014

Apresentação única



Para quem ler:
Tempo esse atemporal em si mesmo... passa ou nós passamos por ele?
Tempo detenho, resenho minha vida, num passo de apresentação única.
Tempo temo ou tenho? Como saber se não vivê-lo.
O tic tac do relógio lhe é escravo, mas jamais seu dono.
Rasga a escuridao com o faixo de luz, absorvo!
Contelação de segundos que componho, muda dentro de mim.
Triste?
Não, apenas reflexão,
 pois em sobrevida estarei em minhas letras, 
nas palavras deitadas nestas linhas tortas, 
que o vento teima e soprar até você.
- MariAne 03/2012 -

Nenhum comentário: