"Há um momento em que é preciso abandonar as roupas usadas que já têm a forma do nosso corpo e esquecer os caminhos antigos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia - e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." (PESSOA, Fernando)

"Procuro despir-me do que aprendi. Procuro esquecer do modo de lembrar que me ensinaram. E raspar a tinta com que me pintaram os sentidos. Desencaixotar as minhas emoções verdadeiras. Desembrulhar-me e ser eu." (PESSOA, Fernando)

28 de jul de 2014

Sombra que move


EMBORA ESTEJA SECO
E APARENTEMENTE MORTO
O TRONCO 
AINDA É CAPAZ
DE MOVER-SE
ATRAVÉS DE
SUA SOMBRA!
- Mariane Manske-Oechsler - 
As Cores que Sou

2 comentários:

Baerdal disse...

Sempre haverá uma sobrevida onde aparentemente não existe vida.

Saudade da amiga do sul.
um terno abraço do amigo.

MariAne disse...

Pois bem meu amigo Baerdal, foi assistindo a um vídeo que este pensamento veio a mente.
Era um tronco de árvore com seus galhos secos, e a imagem foi capturada com uma câmera fixa, mas registrando o movimento da sombra deste tronco sob o efeito do sol (nascente ao poente).
É maravilhoso perceber que mesmo estando aparentemente morto (o tronco) ele ainda tem influência sobre o meio em que está inserido. Quisera nós vivermos de tal forma, que depois de mortos ainda tenhamos deixado uma contribuição ao meio.
Abraços do sul!