"Há um momento em que é preciso abandonar as roupas usadas que já têm a forma do nosso corpo e esquecer os caminhos antigos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia - e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." (PESSOA, Fernando)

"Procuro despir-me do que aprendi. Procuro esquecer do modo de lembrar que me ensinaram. E raspar a tinta com que me pintaram os sentidos. Desencaixotar as minhas emoções verdadeiras. Desembrulhar-me e ser eu." (PESSOA, Fernando)

11 de mar de 2013

Quisera ser amora


Quisera ser amora
Pra descobrir onde mora
A felicidade de outrora
E passear sem demora
Tocar a flor que aflora
Em simples coração
O barco que ancora
Das botas tiro a espora
Com paixão
faz senhora

Senhora,
namora,
amora
Num gemido que sonora
Desejo de agora
Quisera ser amora
Senhora,
sem hora...
Simplesmente AMORA

Um comentário:

Wanderley Elian Lima disse...

Olá MariAne
Muito criativo o poema. Adorei o jogo de palavras.
Bjux