"Há um momento em que é preciso abandonar as roupas usadas que já têm a forma do nosso corpo e esquecer os caminhos antigos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia - e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." (PESSOA, Fernando)

"Procuro despir-me do que aprendi. Procuro esquecer do modo de lembrar que me ensinaram. E raspar a tinta com que me pintaram os sentidos. Desencaixotar as minhas emoções verdadeiras. Desembrulhar-me e ser eu." (PESSOA, Fernando)

9 de mai de 2012

Eu existo


EU EXISTO
Você pediu que eu escrevesse
um poema sobre o meu passado...
Não pode ser!
Eu não tenho passado!
Eu não tenho futuro!
Eu só tenho presente!
Eu não existi! EU EXISTO!
Eu não existirei! EU EXISTO!
Ancorei meu navio na outra margem do Tempo...
As vagas dos anos armam-se contra mim,  
mas não me atingem a Vida!
E não me venha falar da ameaça da Morte!
A Morte não mata a Vida!
A Morte é um gesto do Tempo
apontando para a Eternidade!
Você devia escutar meus bate-papos com a Vida!
Às vezes conversamos, à sombra das horas,
nos jardins do luar!
Como eu gosto de ver, na face oculta do Tempo,
cada instante que eu vivo mergulhar, transfigurado,
na plenitude da Vida!
Por isso amigo,
Eu não tenho passado!
Eu não tenho futuro!
Eu só tenho o presente!
Eu vivo no presente
Toda a eternidade da Vida!
(Euclides C. da Silva)
Imagem: google
Montagem: tintadotinteiro.blogspot.com.br


Nenhum comentário: