"Há um momento em que é preciso abandonar as roupas usadas que já têm a forma do nosso corpo e esquecer os caminhos antigos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia - e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." (PESSOA, Fernando)

"Procuro despir-me do que aprendi. Procuro esquecer do modo de lembrar que me ensinaram. E raspar a tinta com que me pintaram os sentidos. Desencaixotar as minhas emoções verdadeiras. Desembrulhar-me e ser eu." (PESSOA, Fernando)

2 de ago de 2010

Loucura


Diga-me, quem foi que conceituou a loucura??

Que parâmetros utilizaram para medi-la?


Acaso não seriam mais loucos os que por medo da vida vegetam camuflados em suas máscaras sociais??

Diria que o verdadeiro louco, de loucura pouco tem, pois vive liberto em sua verdade como outro ninguém!
(MariAne)

4 comentários:

Ana SS disse...

A normalidade e a loucura estão mais misturadas do que se imagina.

Mariane disse...

É de fato, Ana. No real, no concreto e no abstrato...

Paulo disse...

Mariane, Querida!!!
Adorei o seu texto!
Loucura é fazer as mesmas coisas e esperar resultados diferentes.
Como diz a música: "...mas louco é quem me diz, que não é feliz"...
O importante é a felicidade, e não o rótulo hipócrito dela, a qual algumas se alimentam, vendendo uma falsa felicidade, iludindo a si mesmas, ou vivendo uma falsa felicidade convencionada pelo outro.
Parabéns!!! Muito obrigado pela reflexão!!!
Beijo.

Mariane disse...

E quantos por aí, rodam nesta falsa felicidade esquecendo de viver.
Fico contente que minhas palavras lhe levaram a boa reflexão Paulo, e agradeço tuas palavras agregando este espaço.
Abraços
Mari