"Há um momento em que é preciso abandonar as roupas usadas que já têm a forma do nosso corpo e esquecer os caminhos antigos que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia - e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." (PESSOA, Fernando)

"Procuro despir-me do que aprendi. Procuro esquecer do modo de lembrar que me ensinaram. E raspar a tinta com que me pintaram os sentidos. Desencaixotar as minhas emoções verdadeiras. Desembrulhar-me e ser eu." (PESSOA, Fernando)

11 de ago de 2010

Mario Benedetti "No te salves"

Não te salves




Caiu em minhas mãos este vídeo, e como nada é por acaso segurei-o... ouvi, vi, senti, traduzi as percepções eclodindo dentro de mim. Falta-me apenas uma melhor tradução das palavras... Preciso lê-las para resignificar. Se alguém conseguir traduzi-las pra mim... eternamente grata serei!

2 comentários:

Anônimo disse...

No Te Salves
(Mario Benedetti)
No te quedes inmóvil
al borde del camino
no congeles el júbilo
no quieras con desgana
no te salves ahora
ni nunca no te salves


Maravilhoso...
Elenir
no te llenes de calma
no reserves del mundo
sólo un rincón tranquilo
no dejes aer los párpados
pesados como juicios

No te quedes sin labios
no te duermas sin sueño
no te pienses sin sangre
no te juzgues sin tiempo
pero si pese a todo
no puedo evitarlo
y te secas sin labios
y te duermes sin sueño.

Y te quedas inmóvil
al borde del camino
y congelas el júbilo
y quieres con desgana
y te salvas ahora
y te piensas sin sangre
y te llenas de calma
y reservas del mundo
sólo un rincón tranquilo
y dejas caer los párpados
pesados como juicios.

Entonces no te quedes
no te quedes conmigo
entonces no te quedes
no te quedes conmigo.

NÃO TE SALVES

Não fiques imóvel
a beira do caminho
não congeles o júbilo
não queiras sem vontade
não te salves agora
nem nunca não te salves.
não te enches de calma
não reserves do mundo
só um rincão tranqüilo
não deixe cair as pálpebras
pesadas como juízos

não fiques sem lábios
não durmas sem sono.
não penses sem sangue
não te julgue sem tempo.
mas se apesar de tudo
não podes evitá-lo
e te secas teus lábios
e te dorme sem sono

fiques imóvel
à beira do caminho
e congeles o júbilo
e não queiras sem vontade
e te salves agora
e pensas sem sangue
e te enches de calma
e reservas do mundo
só um rincão tranqüilo
e deixas cair as pálpebras
pesadas como juízos

Então não fiques
Não fiques comigo
Então não fiques
Não fiques comigo

Mariane disse...

"não fiques sem lábios
não durmas sem sono.
não penses sem sangue
não te julgue sem tempo."
Para cada qual a seu tempo, uma reflexão exata de sentimentos.
Ler e reler o texto, faz saltitar sensações novas e remetem a busca de um desejo incontido.

Querida Elenir, tuas letras aqui já tem lugar cativo, volta para abrilhantar este espaço tantas quantas vezes te for aprazível...
Sincero agradecimento pela tradução apresentada.

Aqui te espero,
desta Mari, que também é Ane